Translations - Portuguese - Spring Rite

Irmandade de Isis Liturgia
Por
Olivia Robertson

DEA, RITOS E MISTÉRIOS DA DEUSA

Primavera. Rito de Boa Saúde

Ritual no 4

ORÁCULO DA DEUSA DANA

Uma boa saúde é uma exteorização de um estado de espírito, de nossa alma. Embora seja geralmente necessária para lidar com problemas físicos – tipo uma perna quebrada – em um nível material, a prevenção da doença vem através da alma. Força vital pode ser conduzida por um Curador e inserida na aura do paciente: mas em troca o paciente tem de se tornar um Curador, um curador de si mesmo. E o melhor estado de saúde é garantido quando sente-se o fluir de energia divina dentro de si.

Invocação

Graciosa Dana, em seus cabelos brilham sóis multicoloridos, a senhora veste o oceano, Tu és a divina Mãe dos Tuatha de Danann de Atlantis e das terras do oeste: Traga-me a Sua alegria! Traga-me saúde e consciência da beleza que permeia toda a natureza e que é o seu véu. Que eu possa me vangloriar em vida e mostrar sua energia nos meus trabalhos.

Oráculo


O mais humilde pedaço de terra tem suas devidas jóias. Mas saiba que por mais que o menor não compreenda, ele reflete o Grande: Por mais que o Grande compreenda, permeei e anime o menor. Cada cristal de gelo manifesta o padrão individual da Divindade. E isso é o que significa a presença da Centelha Divina.

Muitos de vocês procuram alcançar ao topo das artes e das ciências divinas: mas perderam seus dons durante essa caminhada desenfreada. Pois Eu posso ser encontrada nas gargalhadas da vida, no absurdo, no arranhão descuidado, naquele pequeno talento ignorado. Desconsidere os seus dons e você vai crescer doente. A verdadeira saúde é estar em harmonia com as esferas mais altas e as mais baixas também. É se misturar com todos os degraus da consciência. Do contrário, doença e pesar irão pesar na balança, lembrando você do que está ignorando. Pois o artista que procura a beleza em uma vasilha de frutas em uma mesa de cozinha me conhece tão bem quanto um cientista que divide o átomo e o ocultista que transcende as esferas terrenas.

Seja original: pois o que é original em você é divino! O que é mera repetição não existe. Traga ao Divino o dom de ser quem você é. Não negligencie as suas estranhezas. Aproveitando a sua originalidade você vai aprender a sua origem. E somente assim vai conhecer a fonte Divina.

Respeite o que há de original em você, seja em um pequeno gato com seus trejeitos particulares ou nos desenhos de uma criança. Somente assim você vai conhecer os seus verdadeiros Selfs. E o seu verdadeiro Self vai transparecer nas esferas terrestres. Você vai conhecer a saúde perfeita, e você vai irradiar saúde a todos os tem as vidas tocadas pela sua. Expresse a sua divindade através música e arte, através de seus trabalhos e através das cores de sua aura multicoloridas feita um arco-íris. Cada aura é diferente da outra, nos mostre os seus dons particulares!

(No altar deve ter uma tigela com terra, um copo com água, uma vela e um recipiente com óleo. Um amuleto para ser magnetizado com boa saúde é colocado no óleo.)

Devoto: Que a Deusa traga seus dons de saúde perfeita e felicidade!

Cântico: Dana- Dana-Dana.

Invocação para Força: Nos te invocamos, Oh Gaea, Deusa da terra, Mãe de tudo e todos, o mais antigo dos seres. Tu que alimentas todas as criaturas que residem em sua bondosa terra, tudo o que reside nos mares e tudo o que voa pelo céu.

(Devoto coloca um pouco de terra em cada pé e em cada mão) Grande Mãe, garanta-nos felicidade e força!

(Devoto permite que a energia da terra suba pelos pés e siga pela espinha com uma luz aquecida. Dance!)

Invocação para a Vitalidade: Divina Savitri, que eu possa receber vida de ti assim como o fez Teu consorte: “Em seu colo a cabeça Dele Repousava, enquanto Ela o deitava na espada e o apertava contra o seu peito, pulsante. Beijou-lhe os lábios com um suspiro. Em Seu colo ela repousou a cabeça de seu amado quase morto. E o toque de afeição pura o estimulou a viver novamente, como se retornasse de longa viagem, Ela a encarava docemente.”

(Devoto cobre a vela com as mãos e a encara sentindo o poder da vida fluindo para o seu coração e para o ponto entre as sobrancelhas, a aura inteira brilha com raios dourados!)

Invocação: Saudação a ti, majestosa Aphrodite! Coroada de ouro e bela! O hálito fresco do vento Oeste de carregou sobre as ondas do oceano murmurante em uma doce espuma, e então as banhadas de ouro Horas te acolheram invejosamente. Oh Senhora adornada das mais belas pedrarias, me garanta liberdade para me juntar a maravilhosa dança divina!

(Devoto bebe do copo de água lentamente, sentindo o poder fluindo por seu corpo como uma luz prateada líquida que segue do corpo para a aura e traz alegria e movimento.)

Invocação para uma mente saudável: Que eu possa compreender os ensinamentos de Zarasthura em seu hino: “Que seja a melhor parte de um iniciado aquilo que proclama os divinos preceitos de Integridade, Virtude e Imortalidade: Pois o sábio não tem nenhum domínio sobre a sua mente, que sempre flue em bondade.”

A BENÇÃO DO AMULETO


(Devoto segura o amuleto sobre a vela)

Invocação


Oh Isis, abençoa este amuleto para que quem quer que seja que o use possa sentir força e bondade. Que seu filho, Kephera, o besouro solar, santifique este amuleto: Ele que no livro do Dia em que Virá disse estas palavras: “Eu sou Tem Kephera, que trouxe a mim mesmo a vida entre as coxas de minha Divina Mãe. Eis que reúno os encantos de qualquer lugar que seja. Eu viajo pela noite no barco Nakhent de Rá, assim como Ela navegou sobre as piscinas de fogo no submundo. Eis que eu reúno os encantos, os encantos que criaram todas as formas dos seres que vieram da Grande Mãe e que dão o calor do fogo para os Deuses. Eis que os encantos são dados a Mim de onde sejam, mais rápidos que galopes e mais rápidos ainda que as sombras!”

(Devoto coloca oleo no amuleto e então o coloca sobre o coração.)

Agradecendo: Graças são dadas a Isis, pelas benções ao amuleto através dos encantos de Tem-Kephera, o besouro que guarda em si o sol interno. Que nossos corações se encham de força e gentileza. Que possamos ser abençoados por pela Deusa Dana, Santíssima Mãe dos Tuatha De Danann.

Meditação


(Devoto visualiza uma lembrança feliz que acontece então na terra de muitas cores, Ildathac, lendo estas antigas palavras ditas por Bran através de uma Fada.)

“Toma este galho da macieira Emhain, como todos os que são familiares, com Gravetos prateados e brotos de flores cristalinas. Existe uma ilha muita distante, envolta da qual os cavalos marinhos se divertem, seguindo o seu curso por entre a brilhante encosta... Quatro pilares a suportam, brilhando através do Eons de Beleza, é uma terra que transpassa as eras do mundo, onde as pétalas das flores caem como chuva. Nesta ilha existe uma árvore gigante cheia de flores onde os passarinhos cantam a cada hora. Todos os tons de cores brilham pelos campos desta terra. Sem pesares, sem tristezas, sem morte, sem doença de qualquer tipo, assim é na ilha de muitas cores, Ildathac, que Bran escute a sabedoria exposta a ele. Não se afunde em uma cama de preguiça, não deixe que os seus pesares te sobrecarreguem. Comece a sua viagem através dos mares límpidos, para encontrar o caminho para a Terra de Alegrias.”

(Devoto vivencia  alegria, harmonia e saúde perfeita)

Prece: Que todos os seres viventes sejam abençoados com harmonia e alegria!

Agradecimento: Graças eu dou a Deusa pela saúde e pela Alegria.

(Devoto coloca um pouco da água entre as sobrancelhas)

Fontes: "Hesiod, Homeric Hymns, Fragments of the Epic Cycle, Homerica",Hesiod, translated by Hugh G. Evelyn-White, Loeb Classical Library series no. 57, Harvard University Press, Cambridge and William Heinemann, London, 1959. “The Ramayana and the Mahabharata”, Romesh Chunder Dutt and Ernest Rhys, editors, Everyman‘s Library series, edition no. 403, John M. Dent & Sons, London, E. P. Dutton & Co., New York, first published 1915. “The Hymns of Zarathustra”, from “The Zend-Avesta”, Sacred Books of the East series, translation by James Darmesteter, edited by Frederick Max Muller, Motilal Banarsidass, Bungalow Road, Jawaharnagar, Delhi 7, India. “The Book of the Dead: The Papyrus of Ani in the British Museum, the Egyptian text with Interlinear Translation”, Sir E. A. Wallis Budge, Routledge & Kegan Paul Ltd., London, 1909, first printed by the British Museum, London, 1895. “Scottish Gaelic Folk Prayer”, and “11th Century Poem”, Irish Anonymous author, 7th - 8th works, all from "A Celtic Miscellany”, Kenneth Hurlstone Jackson, Routledge & Kegan Paul Ltd., London, 1967. "Communion with the Goddess. Part I. The Vital Elements",(Manual of the Fellowship of Isis series), Lawrence Durdin-Robertson, Cesara Publications, Clonegal Castle, Ireland, 1976.

Créditos de tradução a Bruno Henrique Herzog, Iseum Rosa de Gaia 


Irmandade de Isis Liturgia





Comments